ENTRAR
registo | recuperar palavra-passe
x
Por favor preencha o seu email
Por favor preencha a sua password
Password e/ou email inválidos
Entrar com GOOGLE
INFORMAÇÃO
1113
CONSULTOR
86
TÉCNICO AUXILIAR
226
EQUIPAMENTO SOCIAL
1412
SERVIÇO
4731
PRODUTO
9
EVENTO
25
Depressão em idosos inseridos em ERPI - Estrutura Residencial Para Idosos
As condições dos lares de idosos – designação correta ERPI – Estrutura Residencial Para Idosos - têm vindo a melhorar, mas ainda assim, para muitos idosos, a mudança para uma casa de repouso representa o “fim da estrada” e uma perda de independência. Muitos encaram estas instituições como um lugar para morrer.

Tal pensamento pode levar à depressão, o que afeta aproximadamente 40% dos residentes de casas de repouso, de acordo com a American Geriatrics Society. Apesar da sua prevalência, poucos idosos admitem abertamente que estão deprimidos. Isso significa que, em muitos casos, a família/ profissionais devem de estar atentos a sinais de alerta.



INFORMAÇÃO
P.S. ERPI

A mudança para um lar de idosos causa depressão?

A depressão muitas vezes não é diagnosticada nem tratada - ou tratada como uma parte "normal" do envelhecimento, pois os sinais da mesma podem espelhar os sinais de demência.

Kenneth Sakauye, psiquiatra geriátrico refere que chegar à causa básica da depressão é fundamental. Ainda que a medicação ou terapia ou ambos possam ser prescritos para qualquer paciente com depressão, conhecer a causa pode levar a um tratamento mais eficaz.

De acordo com o psiquiatra, depois de um derrame, 50% das pessoas desenvolvem depressão. As alterações cerebrais causadas, como a diminuição do fluxo sanguíneo, podem resultar numa espécie de depressão vascular. Se a causa for um fator biológico como esse, a medicação pode ser mais eficaz que a terapia.

Por outro lado, se a depressão é leve e causada por fatores psicológicos, como a falta de socialização e estimulação, a terapia pode ser a solução mais adequada. "Os pacientes idosos costumam dizer que os melhores momentos de suas vidas acabaram", explica Sakauye. "Eles foram forçados a sair de casa. Eles sentem-se como se não tivessem mais nada para viver".

Envolver a família em sessões de terapia pode ser útil, pois a maioria das pessoas idosas não se disponibilizam às mesmas (às terapias) se a família não os acompanhar.

Mas que papel a família deve desempenhar: participante ativo ou ouvinte passivo?
"Eles estão lá como observadores", refere o profissional. "Não se trata de terapia familiar tradicional. A família tem um papel de apoio." Este psiquiatra, geralmente, envolve a família no inico da sessão e recomenda que eles falem somente quando questionados durante a sessão.

De acordo com o psiquiatra Kenneth Sakauye existem algumas formas dos cuidadores e/ou familiares ajudarem os idosos, a combaterem/afastarem a depressão, com tarefas simples como:

- Incentivar a interação social: estar perto de outras pessoas com interesses e experiências de vida semelhantes é terapêutico. Os lares de idosos oferecem muitas oportunidades para amizades e conexões pessoais.
- Ajudar a pessoa a encontrar um hobby: o tédio e a falta de propósito na vida podem contribuir para a depressão. Um hobby como jardinagem ou jogos cartas é estimulante, mantém o cérebro ativo e estimula as interações com pessoas e afins. A maioria das ERPI’s tem um mapa diário de atividades, com uma variedade de interesses e habilidades que pode ajudar;
- Falar abertamente: a pessoa pode querer falar, mas pode não saber como iniciar a conversa. Elabore tópicos emocionais e abra a porta para partilhar sentimentos, mas não force;
- Melhorar o ambiente: melhorar o ambiente pode melhorar o humor. Acrescente toques pessoais como plantas, lembranças favoritas, móveis confortáveis e fotos de família – atividades que façam o espaço parecer-se o mais possível com a casa dos mesmos;
- Encorajar o exercício físico: mesmo o exercício leve como andar tem benefícios psicológicos. Sugira atividades baseadas nas habilidades físicas da pessoa em causa. Mesmo os idosos que não podem exercitar-se devido a limitações físicas podem sair e beneficiar do ar fresco e da luz natural;
- Certificar-se de que todos os medicamentos são tomados conforme as prescrições médicas. Mesmo que a pessoa idosa se sinta melhor, é importante certificar-se de que todos os medicamentos prescritos são tomados conforme indicação médica até que existam indicações para os deixar;
- Preocupar-se com a pessoa idosa: solicite que sejam realizados check-ups regulares e planos de cuidados para lidar com a depressão.



|Fonte: Agingcare.com|



partilhar

Autor / responsável técnico / fornecedor
Prime Senior Editor
Categorias
Cuidado a idosos | Cuidadores | Demência | Envelhecimento | Gerontologia | Idosos | ERPI - Estrutura residencial para idosos