ENTRAR
x
Por favor preencha o seu email
Por favor preencha a sua password
Password e/ou email inválidos
Entrar com GOOGLE
0
Escolha uma categoria
PERGUNTA
176
INFORMAÇÃO
2115
EVENTOS
30
VALÊNCIAS
1419
SERVIÇOS
4960
PRODUTOS
26
CONSULTORES
88
INFOGRÁFICOS
ATIVIDADES
INFORMAÇÃO
Coronavírus e os idosos - tudo o que precisa saber
Idosos devem tomar precauções, mas não devem entrar em pânico.

O coronavírus é um vírus recente (conhecido no fim do ano transato) e que já afetou várias pessoas, de vários países, mas só agora começou a manifestar-se em Portugal.

Mesmo sendo uma situação séria, é importante não entrar em pânico, e é igualmente importante conhecer os fatos e seguir as dicas de prevenção recomendadas para proteger os mais velhos e os que estão ao seu redor.

Aqui, reunimos as últimas notícias e pesquisas para que possa ter acesso tudo o que precisa saber sobre o coronavírus, como isso afeta os idosos e como se proteger.


INFORMAÇÃO
O que é coronavírus?
Os coronavírus são uma grande família de vírus.

Em geral, os coronavírus humanos causam infeções do trato respiratório que variam do resfriado comum a doenças mais graves, como a Síndrome Respiratória Aguda Grave.

COVID-19 é o nome do novo vírus que se está a espalhar por todo o mundo desde o final de dezembro de 2019. Ele nunca havia sido visto em humanos.

Como se espalha?
Semelhante à gripe sazonal. O COVID-19 é transmitido entre as pessoas através da tosse, espirros ou contato próximo, como tocar ou apertar as mãos.

Também pode ser transmitida após tocar uma superfície com o vírus e, em seguida, tocar nos olhos, nariz ou boca sem lavar as mãos.

Assim como a gripe, o vírus espalha-se facilmente, o que dificulta a contenção.

O período de incubação é entre 2 e 14 dias, portanto, as pessoas podem estar a transmitir a doença mesmo não tendo sintomas.

Prevenção do coronavírus
Para se proteger do coronavírus, recomenda-se os mesmos métodos que se usaria para proteger contra a gripe ou outras doenças respiratórias comuns.

Medidas preventivas incluem:
- Tomar uma vacina contra a gripe (se você ainda não o fez);
- Lavar as mãos frequentemente com água e sabão por pelo menos dutante 20 segundos, principalmente depois de ir ao WC, antes de comer e depois de assoar o nariz, tossir ou espirrar. Se não houver água e sabão, deve-se usar um desinfetante para as mãos à base de álcool;
- Evitar tocar nos olhos, nariz e boca com as mãos não lavadas;
- Evitar o contato próximo com pessoas doentes. Considera-se como contato próximo estar alguns minutos a menos de um metro e meio de uma pessoa doente ou o contato direto, como beijar ou partilhar utensílios;
- Ficar longe do local de trabalho, da escola ou de outras pessoas se ficar doente e com sintomas como febre e tosse;
- Tossir ou espirrar para um lenço de papel e depois deitá-lo imediatamente no lixo;
- Limpar e desinfetar objetos e superfícies tocados com frequência, como maçanetas, controlos remotos, telefones, computadores e dispositivos móveis.

Considere "distanciamento social" com aqueles que têm maior risco
Pessoas com mais de 60 anos, grávidas ou sob uso de medicamentos que enfraquecem o sistema imunológico correm maior risco de infeção e complicações da infeção.

Alguém com risco mais alto pode querer considerar o "distanciamento social" como uma medida preventiva. Isso significa que, se houver algum risco relatado de transmissão de COVID-19 na área local, evite grandes reuniões de pessoas e transportes públicos.


Além disso, mantenha uma distância de segurança de outras pessoas de aproximadamente 1,5 metros.

Sintomas, gravidade e taxa de mortalidade por coronavírus
Pacientes com COVID-19 apresentam sintomas semelhantes a outras doenças respiratórias, como resfriados ou gripes.

Os sintomas comuns incluem sintomas leves a graves de febre, tosse e falta de ar que geralmente começam entre 2 a 14 dias após a exposição.

Menos comumente, dor de garganta e diarreia foram relatados em alguns pacientes.

Muitos pacientes com complicações graves do vírus desenvolvem pneumonia nos dois pulmões.

Atualmente, os pesquisadores pensam que cerca de 1% dos casos de coronavírus resultarão em morte. No entanto, a taxa de mortalidade varia de acordo com a idade, sendo que os idosos com condições pré-existentes têm maior probabilidade de morrer.

Idosos correm maior risco de complicações e morte
Geralmente, com uma doença respiratória como a gripe sazonal, os idosos têm maior risco de infeção e desenvolvem complicações como pneumonia. O coronavírus, COVID-19, parece estar a seguir o mesmo padrão.

Os idosos são mais vulneráveis porque os seus sistemas imunológicos são mais fracos devido à idade e, muitas vezes, agravados por fragilidade ou doenças crónicas como diabetes, doença pulmonar obstrutiva crónica ou doença cardíaca. Isso reduz a capacidade do corpo de lidar e se recuperar de uma doença.

De acordo com a Comissão Nacional de Saúde da China, cerca de 80% das pessoas que morreram do vírus na China tinham mais de 60 anos de idade. Os estudos no The Lancet descobriram uma idade média de 55 anos, entre os cidadãos chineses que desenvolveram pneumonia, como resultado da infeção por coronavírus.

Isso é semelhante ao padrão observado na gripe sazonal. Na maioria das temporadas de gripe, a maioria das mortes ocorre em pessoas com 65 anos ou mais.

A vacina contra a gripe fornece proteção contra o coronavírus?

De acordo com Nancy Messonnier, diretora do Centro Nacional de Doenças Respiratórias do Centro de Controlo e Prevenção de Doenças dos EUA, não há evidências de que a vacina contra a gripe ou a vacinação pneumocócica forneçam proteção contra o coronavírus.

Mas, de acordo com o Dr. Trish Perl, especialista em doenças infeciosas do Centro Médico Sudoeste da Universidade do Texas, é possível que o coronavírus, lesionando células pulmonares, possa facilitar a pneumonia nas pessoas que também sofrem da gripe. ou pneumonia bacteriana. Portanto, especialistas em doenças infeciosas recomendam fortemente a vacinação contra a gripe como forma de se preparar para o coronavírus.

Para idosos, a vacina contra a gripe e a vacina pneumocócica podem aumentar as probabilidades de permanecer saudável.

As máscaras protegem contra o coronavírus?

As máscaras cirúrgicas são comuns em áreas com surtos de coronavírus. Mas elas são eficazes na proteção contra infeções?

Especialistas dizem que oferecem alguma proteção, mas somente quando usadas adequadamente.

De acordo com Amesh Adalja, médico de doenças infeciosas e pesquisador sénior do Centro de Segurança em Saúde da Universidade Johns Hopkins, “uma máscara descartável típica pode ajudar a impedir que gotículas de partículas grandes atinjam a sua boca e nariz - duas áreas comuns em que vírus entram no corpo. "

Atualmente, a Organização Mundial de Saúde não recomenda que as pessoas que estão bem usem uma máscara facial, a menos que seja recomendado por um profissional de saúde.

Além disso, uma máscara facial restringirá a respiração. Portanto, se alguém já tem uma condição de saúde que afeta a sua capacidade de respirar, usar uma máscara facial pode fazer mais mal do que bem.
Se tem dúvidas acerca se a pessoa idosa deve ou não usar uma máscara facial, consulte primeiro o médico de família.
No entanto, as máscaras faciais devem ser usadas por pessoas que apresentem sintomas do COVID-19. Isso ajuda a impedir a propagação da doença a outras pessoas. Eles também devem ser usadas por pessoas que cuidam de alguém que está doente.

Existe uma vacina ou tratamento contra coronavírus?
Atualmente, não há vacina ou cura para o coronavírus, mas cientistas e empresas farmacêuticas estão a trabalhar “duro” para realizar uma vacina. Alguns testes estão programados para começar em abril.

De acordo com o diretor-geral da Organização Mundial da Saúde "mais de 20 possíveis vacinas destinadas a prevenir a doença por coronavírus estão em desenvolvimento em todo o mundo".

Além disso, tratamentos para ajudar os pacientes a curar ou aliviar os sintomas já estão em testes clínicos.

Cuidado com curas falsas de coronavírus !!!
Esteja ciente e evite produtos falsos que pretendem curar o coronavírus.

Os burlões e ladrões aproveitam o medo e a confusão do público para vender medicamentos, suplementos ou tratamentos falsos, especialmente na internet.



|Fonte: Dailycaring.com|
partilhar linkedin pinterest

Autor
Prime Senior Editor
Categorias
Bem-estar | Doenças Crónicas | Gripe | Morte | Problemas | Cuidados | Cuidadores | Grau de dependência | Envelhecimento | Gerontologia | Idosos
Para comentar deve efetuar login ou registar-se.