ENTRAR
registo | recuperar palavra-passe
x
Por favor preencha o seu email
Por favor preencha a sua password
Password e/ou email inválidos
Entrar com GOOGLE
0
PERGUNTA / PARTILHA
168
INFORMAÇÃO
1019
EVENTO
28
VALÊNCIA
1419
SERVIÇO
4959
PRODUTO
19
CONSULTOR
88
Cuidador - desculpar-se após uma explosão de stress
Cuidar é um trabalho stressante, mesmo nos melhores momentos. A enorme quantidade de responsabilidade é suficiente para fazer a pessoa mais calma se stressar, mas também há diversas personalidades em jogo. O destinatário dos cuidados pode ter mau humor ou ser exigente, ou o seu cônjuge pode ressentir-se do tempo que dedica a cuidar dos outros, em vez de se dedicar ao seu relacionamento.

Num ambiente de alta pressão, é provável que ocorra um colapso de tempos em tempos, especialmente para aqueles que não estão a conseguir o descanso suficiente e estão propensos a expressar os seus sentimentos. Os espectadores que não têm noção das realidades de cuidar, costumam aumentar o stress ao oferecer “conselhos”, que, geralmente, parecem mais desaprovadores do que úteis. Ao esconder a sua irritação, conter uma resposta sarcástica e deixar os comentários ou ações passarem tantas vezes, a paciência acaba por se esgotar.

O mesmo se aplica ao seu prestador de cuidados imediatos. Basta um comentário, comportamento, acidente ou demanda específica feita no dia errado para obter uma observação sarcástica ou cheia de desabafo. Se a observação ou sugestão da outra pessoa foi inócua, ou veio de um lugar realmente bom, geralmente reconhecemos que nossa reação exagerada era injustificada, quase instantaneamente. É aí que a vergonha começa a surgir. A culpa é especialmente pungente quando atacamos os nossos destinatários por algo que está fora do seu controlo.

Muitas vezes, essa repentina explosão de raiva é totalmente mal direcionada. O nosso cônjuge, filho, amigo ou beneficiário dos cuidados pode acabar por se tornar num alvo, quando a nossa mágoa realmente provém do stress avassalador da nossa situação de cuidar, de como não nos sentimos valorizados e / ou de pouco apoio de outros membros da família e amigos. Mas reconhecer o nosso erro não é suficiente. Uma vez pronunciadas, as nossas palavras não podem ser recuperadas. Só há uma maneira de consertar as coisas: fazer um sincero pedido de desculpas.


INFORMAÇÃO


Garantir que um pedido de desculpas seja sincero
Desculpar-se parece bastante simples, mas é uma tarefa difícil para muitas pessoas. Pedir perdão requer introspeção e humildade - atributos que podem ser difíceis de exercitar quando se encontra num estado de exaustão e angústia. Sabe que o seu humor desagradável não é culpa da outra pessoa, mas tudo o que pode fazer é reunir uma desculpa esfarrapada para o seu comportamento.

Esteja ciente de que uma desculpa não é um pedido de desculpas, mas pode ser suficiente por enquanto. Pode esperar que a pessoa que criticou seja compreensiva o suficiente para deixar isso acontecer, mas não cometa o erro de pensar que seu comportamento não a afetou. Enquanto isso, permita-se algum espaço para se refrescar e reunir os seus pensamentos.

Para oferecer um sincero pedido de desculpas, primeiro deve entender o que provocou a sua raiva e porque frustrou essa pessoa. Uma das razões pelas quais, muitas vezes, direcionamos a nossa irritação e ressentimento às pessoas mais próximas a nós é que nos sentimos mais seguros com elas. Acreditamos que essas pessoas - membros da família e amigos queridos – não nos vão abandonar porque, no fundo, nos preocupamos. Não tratamos mal essas pessoas de propósito, assim como elas não pretendem provocar-nos intencionalmente. No entanto, se não encontrarmos uma saída saudável para a nossa crescente exasperação, é provável que ela apodreça e o “empurre" para uma situação identica. Deixadas desmarcadas, essas emoções podem prejudicar seriamente a saúde mental de um cuidador e afetar negativamente os seus relacionamentos mais importantes.

Depois de identificar o (s) verdadeiro (s) motivo (s) por trás do seu comportamento, poderá oferecer um sincero pedido de desculpas. Embora um incidente como esse não seja agradável para ninguém, é conveniente que perceba que os seus níveis de stress estão a ficar muito altos e que é hora de encontrar recursos como cuidados profissionais e hobbies pessoais, para ajudá-lo a recuperar algum equilíbrio na sua vida.

Às vezes, a raiva de um cuidador é justificada
E se “atacar” alguém que acredita estar errado? Por exemplo, dispensa o seu irmão, que sempre critica como cuida dos seus pais, mas nunca se oferece para ajudar.

Perder a calma com essa pessoa está um pouco mais próximo de uma resposta saudável. Pelo menos selecionou o alvo correto para a sua raiva. No entanto, a menos que esteja disposto a abandonar o seu relacionamento com o seu irmão, ainda está numa posição em que um pedido de desculpas é justificado. Também é importante lembrar que "eu disse / fiz isso porque tu disseste / fizes-te aquilo" não conta como um pedido de desculpas.

Geralmente é útil levar algum tempo para se acalmar após o incidente inicial. Depois de se acalmar, pode informar o seu irmão que está chateado há algum tempo, com a forma como ele apresenta as suas críticas e que finalmente perdeu o controlo das suas emoções. Se nada mais for, é melhor pedir desculpas pelo modo como respondeu e reconhecer que essa resposta não é saudável. Mas também deve tentar aproveitar a oportunidade para mencionar que há questões subjacentes que precisam ser discutidas para que possam ter melhores interações e um relacionamento mais saudável no futuro. Nesse cenário, não se está a desculpar por se defender.

O rancor apenas prejudica quem os carrega
Podemos continuar a guardar rancores que julgamos justificados. Podemos continuar a ficar zangados. Mas pense bem: a quem realmente estamos a magoar ao fazer isso? Carregar ressentimento e raiva leva energia e devora a alma.

Peça desculpa e lide com essas situações com calma e maturidade, pois custa menos. Se a pessoa que criticou for razoável, pode oferecer um pedido de desculpas próprio e os dois podem aprender algo um sobre o outro que fortalecerá o Vosso relacionamento. Mesmo que nada de produtivo ocorra com essas ações, pelo menos sentir-se-á melhor por ter sido a pessoa maior e tentar limpar o ar.

Naturalmente, existem algumas personalidades que simplesmente nunca se misturam bem. Pode significar uma antipatia mútua ou uma longa e variada história de "erros" pessoais uns contra os outros. Nessas situações, é melhor ser cordial e evitar interações, se possível. Esses problemas sérios são diferentes de um caso isolado de gritar com um idoso ou explodir numa situação que deveria ter sido tratada com uma discussão civilizada. Um pedido de desculpas raramente é suficiente para mudar essa animosidade. Isso é especialmente verdadeiro em situações abusivas e prejudiciais à saúde.

Minimize o stress do cuidador
Não seja muito duro consigo mesmo, explodir, de vez em quando, é natural até certo ponto. Mas procure as razões pelas quais agiu de uma maneira que agora se arrepende e aprenda a oferecer um sincero pedido de desculpas. A capacidade de perceber e admitir falhas é uma característica inestimável e uma das muitas ferramentas necessárias para equilibrar o atendimento ao idoso com outros relacionamentos.

Se o stress, a depressão ou a ansiedade são a causa do seu comportamento, ou essas mudanças de humor se tornam mais pronunciadas e frequentes, é hora de procurar ajuda. Participar num grupo de apoio ao cuidador e / ou procurar aconselhamento profissional pode ser extremamente benéfico.

Uma coisa é “atacar” um bom amigo ou até mesmo um irmão "merecedor" de vez em quando, mas outra coisa é deixar o stress transformá-lo numa mutação amarga do seu antigo eu. O ressentimento e a pressão excessiva podem evoluir rapidamente para o esgotamento do cuidador, o que é prejudicial à sua saúde física e mental e à pessoa que cuida.



|Fonte: Agingcare.com|
partilhar facebook twitter linkedin pinterest

Autor / responsável técnico / fornecedor
Prime Senior Editor
Categorias
Bem-estar | Agressividade | Raiva | Problemas | Cuidado a idosos | Cuidados | Envelhecimento | Gerontologia | Idosos
Para comentar deve efetuar login ou registar-se.